RSS

A ILUSÃO DO MIGRANTE

06 Oct

Quando vim da minha terra,
se é que vim da minha terra
(não estou morto por lá?),
a correnteza do rio
me sussurrou vagamente
que eu havia de quedar
lá donde me despedia.

Os morros, empalidecidos
no entrecerrar-se da tarde,
pareciam me dizer
que não se pode voltar,
porque tudo é conseqüência
de um certo nascer ali.

Quando vim, se é que vim
de algum para outro lugar,
o mundo girava, alheio
à minha baça pessoa,
e no seu giro entrevi
que não se vai nem se volta
 

 Carlos Drummond de Andrade

.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.:.

Este poema de Drummond eh foda. Drummond eh foda. Ser estrangeiro – estranho – eh foda.

Não há palavra graciosa que possa refletir a dimensão de não estar de onde se é. Não há palavra de consolo que acalme esta sopa fervente de sentimentos.

Há por exemplo o sentimento de culpa. Me sinto uma desertora. Traí meu país, como a outra Marina dos livros de história (o uso de HI aqui é consequente – a ausência do trema também – o travessão entre parênteses, um crime que cometo de propósito). Traí meu país, como ia dizendo, no momento em que me despedi. Traí meu país, meus pais, minha irmã, meus amigos, meu Porto da Barra, no momento em que preenchi o formulário do registro geral deste país emprestado, sem acentos agudos nem circunflexos, sem cedilhas.

O preco que pago é um imposto diário – não ver meus amigos dancando, nao ver minha irmã crescendo, não ver meus pais quando acordo, não acordar cedo para cantar parabéns, não esperar o Daniel Lisboa R2 para voltar pra casa. Perder aos poucos minha própria língua e perder a dimensão do que é Marina, o que é cultura e o que é humano.

Não poder dizer “casa” sem culpa quando falo do apartamento em que moro, neste país emprestado, sem a sensacao de que estou mentindo, enganando, dando um tapa em minha própria cara.

Não poder dizer “casa” sem culpa quando falo do apartamento onde morei, minha mãe me dizendo para arrumar o quarto, minha irmã plantada no computador, meu pai arrastando o chinelo e recitando aquele poema grego sobre o mar, meu cachorro dormindo, minha gata importunando meu cachorro, Bina dando risada, o cheiro de comida de verdade enfeiticando. Sem a sensacao de que estou mentindo, enganando, de que perdi o direito de me referir a estes metros quadrados, de chamar qualquer coisa de lar. Meu coracao fica destamanhinho, dentro de mim tem uma outra eu que me aponta o dedo e me diz que eu dei meu lar pra adocao no momento em que passei meus livros pela máquina de raio xis do aeroporto.

Eu me despedi mesmo foi de mim – eu me deixei na minha cidade. E minha cidade se vingou de mim da forma mais seca e cruel – acabou com a jam session no MAM, cortou o cabelo, criou viadutos e shoppings. Minha cidade trocou de roupa, passou a usar óculos e me dá um pânico desgracado de nao reconhecer minha cidade na rua.

Aqui eu nao estou comigo. Eu sou uma paródia de mim mesma, um decalque provisório. Espero poder um dia abrir o jogo, sentar comigo mesma num lugar imparcial, bater um papo. Talvez eu me perdoe. Talvez eu e eu cheguemos a um acordo e decidamos que podemos nos reunir, voltar a ser uma pessoa só.

Pior – muito pior – do que este sentimento de não pertencer a este lugar, é o sentimento de que nenhum lugar me pertence. De que no momento que eu decidi me mudar eu me mudei e tudo se mudou e eu abri mão do direito de usar pronomes possessivos.

 
7 Comments

Posted by on October 6, 2007 in diario

 

7 responses to “A ILUSÃO DO MIGRANTE

  1. Paty

    October 6, 2007 at 13:21

    Pôôôôôô, faz assim comigo não…assim eu choro…

     
  2. Paty

    October 6, 2007 at 13:22

    pago ou não pago pra ter o green card definitivo, eis a questão…eu quero um abarááááááááááá! porra de green card…

     
  3. Miloca

    October 10, 2007 at 15:23

    é Mama… como dizer, tipo assim, que eu vivo nesse estranhamento desde que eu nasci?!
    Considere isso como uma riqueza e um privilégio nega… nunca uma traição! é como você mesmo disse: colocou sua terra entre parênteses, mas não renegou!
    E agora pare com isso que eu fico madalena, porra!!!

     
  4. Marti

    January 28, 2008 at 22:42

    “…não esperar o Daniel Lisboa R2…”

    Fato que isso atingiu níveis patológicos.

     
  5. Marti

    January 28, 2008 at 22:48

    Talvez eu seja um ser humano ruim, mas acho que nenhum lugar pertence a ninguém e que ninguém pertence a lugar nenhum. É que tudo parece melhor de longe. O problema de pensar demais do que não está, do que já foi, do que vai ser, é não dar valor ao que se vive. E daí vem uma nova culpa, uma nova saudade.

     
  6. mamae

    January 31, 2008 at 16:45

    as ´”jam sessions” voltaram.Bj

     
  7. Sandra

    September 24, 2008 at 22:41

    Sinto o mesmo, mas transformo este sentimento no fato de que viramos cidadaos do mundo!

     

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: